Ex-desembargador Carlos Feitosa é preso pela PF no Cocó

Magistrado foi condenado a pena privativa de liberdade de três anos, dez meses e dias de reclusão, pelo STJ. A Corte emitiu o mandado de prisão cumprido pela PF no Ceará


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira, 19, o ex-desembargador do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), Carlos Feitosa, de 71 anos.

Ele foi condenado em definitivo pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) . A prisão se deu na residência do condenado, no bairro Cocó, na Capital cearense. A informação foi confirmada por uma fonte do TJCE ao Focus.

O ex-desembargador foi condenado a pena privativa de liberdade de três anos, dez meses e vinte dias de reclusão, pelo STJ. A Corte emitiu o mandado de prisão cumprido pela PF no Ceará.

O magistrado era alvo de investigação na operação Expresso 150, deflagrada no ano de 2015, tendo sido aposentado compulsoriamente em decorrência dos fatos investigados.

O trabalho policial, com deflagração de fases da Operação Expresso 150 e análises diversas do material apreendido culminou na condenação pelo Poder Judiciário.

O preso está na sede da Polícia Federal à disposição da Justiça e será encaminhado ao sistema prisional cearense.

Relembre o caso

Em 2019, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) havia condenado o desembargador Carlos Rodrigues Feitosa, do Tribunal de Justiça do Ceará, a 13 anos, oito meses e dois dias de prisão, em regime fechado, pelo crime de corrupção passiva.

Em outra ação penal, ele foi condenado à pena de três anos, dez meses e 20 dias de reclusão pelo crime de concussão.

Feitosa foi denunciado por corrupção, em razão da venda de decisões liminares durante plantões judiciais no Ceará. Como efeito das duas medidas, ele foi condenado à perda do cargo de desembargador. Feitosa estava aposentado compulsoriamente pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) desde setembro de 2018.

Investigações

De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), entre 2012 e 2013 o desembargador cearense e seu filho, o advogado Fernando Feitosa, integravam esquema criminoso, com o objetivo de receber vantagem ilícita em troca da concessão de decisões de soltura em benefícios de réus presos.

Segundo o MPF, o comércio de decisões judiciais nos plantões de fim de semana era discutido por meio de aplicativos como o WhatsApp, com a intermediação do filho do desembargador.

Ainda de acordo com a denúncia, os valores pelas decisões de concessão de liberdade nos plantões chegavam a R$ 150 mil. Entre os beneficiados pela concessão de habeas corpus, estariam presos envolvidos em crimes como homicídios e tráfico de drogas.

Defesa

A defesa dos réus argumentou que a troca de mensagens sobre a venda de decisões e as comemorações pelas solturas era uma espécie de brincadeira entre amigos e de mera simulação de atos de corrupção. A defesa também buscou afastar a caracterização da autoria do crime de corrupção passiva.

O relator da ação penal, o ministro do STJ Herman Benjamin, destacou que as provas colhidas nos autos mostram que a negociação feita por meio de grupos de mensagens era real, coincidia com os plantões do magistrado e tinha resultado favorável àqueles que se propuseram a participar das tratativas.

Segundo o ministro, em períodos próximos aos plantões do desembargador, houve grandes movimentações financeiras e aquisição de bens por parte do magistrado e de seu filho, sem a comprovação da origem e do destino dos valores e com o processamento de forma a impossibilitar a sua identificação.

“Tenho que a movimentação bancária a descoberto nas datas próximas àquelas dos plantões é prova irrefutável da corrupção passiva”, afirmou Herman Benjamin.

Comércio

Para o ministro do STJ, o desembargador “fez do plantão judicial do Tribunal de Justiça do Ceará autêntica casa de comércio”, estabelecendo um verdadeiro leilão das decisões.

“Além da enorme reprovabilidade de estabelecer negociação de julgados, pôs indevidamente em liberdade indivíduos contumazes na prática de crimes, alguns de periculosidade reconhecida, ocasionando risco a diversas instruções de ações penais em curso no primeiro grau e expondo a sociedade a perigo.”

No caso do filho do desembargador, o ministro destacou que o trabalho de advocacia do réu “se limitava a vender decisões lavradas pelo pai”, sendo Fernando Feitosa o responsável por fazer a publicidade da venda de liminares.

Para o advogado, a Corte Especial fixou a pena do advogado em 19 anos e quatro meses de reclusão, em regime inicial fechado.

Com informações da EBC e da Polícia Federal