Entrada de Moro na disputa presidencial gera terremoto e atrai União Brasil

Site relata que a fusão DEM-PSL pretendia lançar o ex-ministro Mandetta ao Palácio do Planalto em 2022, mas agora quer que ele seja o vice do ex-juiz da Lava Jato.


Possível chapa presidencial em 2022, Moro e Mandetta conversam quando estavam no Ministério de Jair Bolsonaro.

Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

As variáveis agem e se desdobram. A dinâmica da política vai se impondo e os pontos de vista dos partidos mudam de acordo com as novas circunstâncias. O lançamento da pré-candidatura do ex-juiz Sérgio Moro, filiado ao Podemos, gerou um terremoto com consequências ainda imprevisíveis

Vejam a informação publicada pelo site Poder 360 e assinada pela jornalista Mariana Haubert: “A cúpula do União Brasil, fruto da fusão entre o DEM e o PSL, concluiu nesta 3ª feira (23.nov.2021) que a única 3ª via possível nas eleições presidenciais de 2022 é a do ex-juiz da Lava Jato e ex-ministro da Justiça Sergio Moro”.

Segundo o texto, a futura nova sigla, que tende a nascer gigante, pretendia lançar o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, ao Palácio do Planalto em 2022, mas ele deverá abrir mão da disputa. “Filiado ao DEM, o nome de Mandetta havia sido aventado tanto pelo seu atual partido quanto pela legenda futura como opção viável para a disputa eleitoral, mas a entrada de Moro no jogo inviabilizou sua possível candidatura”.

A reportagem diz que o União Brasil “sonha em compor a chapa com Moro e pode indicar o ex-ministro para a vice”. Mais: “Integrantes da cúpula do novo partido nunca deixaram de conversar com o ex-juiz. No início, havia uma pequena esperança de que poderiam convencê-lo a integrar a legenda. Quando Moro oficializou sua ida ao Podemos, porém, as conversas passaram a girar em torno da composição de chapa. Esses diálogos devem, inclusive, se intensificar a partir de agora”.

O Poder 360 conta que estiveram presencialmente no encontro os seguintes dirigentes:

  • o ex-prefeito de Salvador ACM Neto, atual presidente do DEM e secretário-geral do União Brasil;
  • o deputado federal Luciano Bivar (PE), presidente do PSL e presidente do União Brasil;
  • o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM);
  • o deputado federal Elmar Nascimento (DEM-BA);
  • o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM);
  • e o presidente do PSL em Brasília, Antonio Rueda, vice-presidente do União Brasil.

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.