Em busca do ajuste no piso salarial, professores de Fortaleza podem não iniciar ano letivo

No momento, o reajuste nacional exigido é de 14,95%. Com isso, a remuneração mínima do grupo não pode ser inferior a R$ 4420,55 em 2023


Foto: Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute), que representa os servidores da educação do município de Fortaleza, realiza amanhã, quinta-feira, 26, a partir das 8 horas, assembleia geral que deliberará sobre a possibilidade de paralisação das atividades da categoria, caso o prefeito da capital cearense, José Sarto (PDT), não regulamente o reajuste salarial dos profissionais do magistério.

O prefeito apontou recentemente que estudos sobre a aplicação do piso salarial dos professores de educação municipal estão avançados. No momento, o reajuste nacional exigido é de 14,95%. Com isso, a remuneração mínima do grupo não pode ser inferior a R$ 4420,55 em 2023.

“Já levamos vários calotes de governos. Nós trabalhadores sabemos que é preciso lutar para sobreviver aos ataques de governos e patrões. É hora de pressão, vamos nos unir para evitar um novo calote. Prefeito, piso já para a aula começar”, destaca um dos chamados do Sindiute nas redes sociais.

Leia mais: 

+ Sarto diz que prefeitura de Fortaleza segue com estudos avançados sobre reajuste do piso salarial dos professores

+ Sarto e Camilo têm reunião marcada para semana que vem no MEC