Em acirrada disputa com Itaú, Bradesco compra conta da Prefeitura de Fortaleza por R$ 290 milhões

Em conversa com o Focus, Roberto Cláudio admite: "Valor surpreendente. Impressionante". Foram 165 lances no pregão presencial. Começou com uma oferta de R$ 116,6 milhões e só terminou 164 lances depois.


De olho nas ruas da cidade, RC admite que o valor foi surpreendente.

Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

Exclusivo. Numa impressionante disputa cabeça a cabeça, lance por lance, o Bradesco desbancou o Itaú Unibanco e levou por R$ 290 milhões o direito e a exclusividade pelo pagamento da folha dos servidores e o pagamento dos fornecedores da Prefeitura de Fortaleza. Foram nada mais, nada menos do que 165 lances em longo pregão presencial ocorrido no início da tarde da última quarta-feira, 18, em um prédio comercial localizado na velha rua do Rosário, Centro.

Para os cofres da Prefeitura, a boa e saudável concorrência entre os dois maiores bancos privados do País foi uma festa digna de comemoração. Afinal, os lances iniciais, conhecidos com a abertura dos envelopes, mostrou o Itau Unibanco na frente com uma proposta de R$ 117 mil e o Bradesco logo atrás oferecendo R$ 116,6 mil. Foi só o começo de uma longa sessão que começou às 13h30min e só terminou às 17 horas com o martelo batido a favor do Bradesco.

Dono do negócio até aqui, o Banco do Brasil nem sequer se insinuou para participar do pregão.

Em rápida conversa com o Focus, o prefeito Roberto Cláudio admitiu: “Valor surpreendente. Impressionante”. O prefeito ainda contou que, após a acirrada disputa, recebeu uma ligação da direção do Itaú Unibanco que, mesmo derrotado, parabenizou pela “clareza, transparência e profissionalismo na estruturação do processo”.

De milhão em milhão, um banco cobria o lance do outro. Sucessivamente e horas a fio. O Itaú parou no 164º lance bancando o valor de R$ 289 milhões. Foi o último suspiro. Ainda com oxigênio, no 165º lance, o Bradesco cobriu o concorrente oferecendo R$ 290 milhões.

Foi demais para o a banca que junta as famílias Setúbal (Itaú) e Moreira Salles (Unibanco). No fim das contas, a botija ficou com a instituição financeira fundada por Amador Aguiar que, segundo a fina ironia da Parangaba, é o único “Amador” que deu certo no Brasil.

Para a Prefeitura, um dinheiro providencial para rechear os cofres municipais no momento em que é politicamente muito importante mostrar-se mais ativo do que nunca nas ruas da cidade.

Tratava-se do lote com as seguintes características.

COM CARÁTER DE EXCLUSIVIDADE:
(I) realização dos pagamentos da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo do Município, em
favor dos fornecedores de bens, prestadores de serviços, beneficiários e credores diversos, pessoas
físicas, jurídicas ou entes despersonalizados;
(II) prestação de serviço de pagamento da folha de salários dos servidores públicos ativos, inativos e
pensionistas da Administração Pública Municipal Direta e Indireta de Fortaleza.
1.1.2.
SEM CARÁTER DE EXCLUSIVIDADE:
(I) realização de consignação em folha de pagamento dos empréstimos e financiamentos concedidos
aos servidores ativos, inativos e pensionistas da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo
Municipal, em concorrência com outras instituições financeiras, conforme legislação em vigor;
(II) operações de pagamento que ensejem fechamento de Contratos de Câmbio.

Veja aqui a ata completa e cada um dos lances.