Lançado manifesto em apelo por “candidatura única centro-democrática”

"Acreditamos que não há espaço para arriscar, por isso propomos esta convergência imediata", diz o texto.


Por Fábio Campos

Atenção: um grupo de personalidades, movimentos  e políticos lançou um manifesto por uma “candidatura única centro-democrata”. Personagens como o advogado que assinou o pedido de impeachment de Dilma Roussef, Miguel Reale Jr, e movimentos que se colocam no campo liberal, como o Livres e o Vem pra Rua, assinam o documento.

No texto, com a hashtag #extremosnao, o grupo pede que Marina Silva, Alvaro Dias, Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles e João Amoêdo se unam em torno de uma só candidatura, “que nos dê esperança de um país livre do radicalismo”.

Hoje, a propaganda de Geraldo Alckmin (PSDB) já usou esse argumento em suas inserções de rádio e televisão.

Leia o manifesto.

“Apelo à candidatura única centro-democrata

Fazemos este apelo em defesa da LIBERDADE de todos os brasileiros: chamemos nossos políticos do centro-democrático à responsabilidade.

Sra. e srs. Candidatos à Presidência da República, Marina Silva, Alvaro Dias, Geraldo Alckmin, Henrique Meirelles e João Amoêdo, defendam nossa democracia unindo-se em torno de uma candidatura única, que nos dê esperança de um país livre do radicalismo, sem que, para isso, sejamos obrigados, pelo medo, a eleger outro extremista.

Acreditamos que não há espaço para arriscar, por isso propomos esta convergência imediata.

Somos brasileiros, que fomos às ruas lutar pela nossa jovem democracia. Mas estamos cansados. Queremos a pacificação do país e seu progresso. Estamos em diferentes regiões e classes sociais, clamando por um ato de desprendimento e generosidade dos atuais candidatos centro-democratas à Presidência da República. Os candidatos da extrema direita e extrema esquerda destilam ódio e medo, dividindo o país e incitando a violência.

Esperamos que reflitam, rapidamente, em que lado da história querem estar nas próximas décadas: a que contará sua grandeza ao convergir para uma candidatura em prol do país e que o salvou, ou a indiferença que acabou levando-o ao caos.

‘Eduquem seus filhos, eduquem-se a si mesmos, no amor da liberdade alheia, único meio de não ser a sua própria liberdade uma doação gratuita do destino, e de adquirirem a consciência do que ela vale, e coragem para defendê-la.’ (Joaquim Nabuco)”