Terror no Ceará: mesmo com prejuízos, setor produtivo endossa necessidade de combate

Governador reuniu entidades para prestar contas e abrir diálogo sobre ações de combate ao crime.


Nathália Bernardo
nathalia@focus.jor.br

O governador Camilo Santana reuniu entidades empresariais, laborais e conselhos para prestar contas e abrir diálogo sobre a crise na segurança. Também participaram do encontro órgãos dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Empresários que participaram da reunião relataram ao Focus que o governador endossou que não vai recuar na ofensiva de combate ao crime. Ele conta com apoio do setor produtivo, em que predomina a ideia de que é hora de “trincar os dentes” e enfrentar, ainda que isso signifique prejuízo por determinado período.

O último balanço, da manhã desta quinta, aponta 277 prisões de suspeitos de envolvimento nos ataques.

Veja também
+ Bares, restaurantes e barracas estimam faturamento 50% menor durante onda de ataques

+ “Não há nenhum meio de amortecer o impacto financeiro causado às empresas”, afirma presidente do Sindiônibus

+ Violência leva lojistas a pedirem reparcelamento do ICMS