Bares e restaurantes estimam faturamento 50% menor durante onda de ataques

Rodolphe Trindade, presidente da Abrasel-CE, levou alguns pleitos do setor ao governador Camilo Santana.


Nathália Bernardo
nathalia@focus.jor.br

Bares e restaurantes estimam queda de 50% no faturamento desde que começou a atual onda de ataques no Ceará. Muito influenciado pelo turismo, a crise de agora pode se estender por algum tempo para o setor, resultado de cancelamento de viagens para o Estado. As informações são da Abrasel-CE.

Para amenizar os danos, o presidente da entidade, Rodolphe Trindade levou à reunião com o governador Camilo Santana pleito por maior garantia de transporte à noite e atenção especial às áreas de entretenimento. Ele também avalia intermediar negociação entre alguns de seus associados que estão fora do Simples Nacional, representando menos de 3% do total, pelo parcelamento do ICMS. Trindade também reforçou apoio às ações de enfrentamento ao crime em curso no Ceará.

Taiene Righetto, diretor da Abrasel, afirma que a crise afeta seus associados de maneira distintas. Sofrem menos os estabelecimentos voltados para o almoço. Entre os que têm a noite como foco, o impacto é um pouco menor para os que estão na área turística. “Ainda tem turista na Cidade, gente que já tinha comprado e não cancelou. Esse movimento é mais dos turistas mesmo, o cearense está com medo.

Leia também
+ Terror no Ceará: mesmo com prejuízos, setor produtivo endossa necessidade de combate