Economia brasileira terá ‘retomada robusta’ no 2° semestre, diz Copom

Avaliação positiva se dá, sobretudo, pelo avanço da vacinação no País.


Banco Central. Foto: Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Para os diretores do Comitê de Política Monetária (Copom), a economia brasileira terá uma retomada robusta após a vacinação contra a COVID-19.

Em ata publicada na segunda-feira, 10, o Copom diz que o País tem surpreendido nos índices econômicos, apesar das restrições impostas por prefeitos e governadores. E que o cenário é positivo para o Brasil, que já é o quinto país que mais aplica vacinas contra a COVID-19 no mundo.

“O segundo semestre do ano deve mostrar uma retomada robusta da atividade, na medida em que os efeitos da vacinação sejam sentidos de forma mais abrangente”, diz o documento, emitido pelo Banco Central.

O colegiado sinalizou que, em junho, irá aumentar a Selic para 3,5% ao ano.
Sobre a economia global, o Copom avalia que ela deverá ser beneficiada pelos avanços dos programas de vacinação, por novos estímulos fiscais em países desenvolvidos, e pela sinalização das nações mais ricas de que os estímulos monetários terão longa duração.