“É legal, mas eu não considero ético”, diz Mourão sobre aumento acima do teto

O Ministério da Economia publicou, na última semana, uma portaria que permitirá a reservistas e servidores públicos aposentados que exercem também determinados cargos públicos receber acima do teto constitucional.


O Vice-Presidente da República, Hamilton Mourão, durante visita ao Centro de Monitoramento da Amazônia (CENSIPAM). Foto: Bruno Batista/VPR

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), afirmou  ‘não considerar ético’ o aumento de sua remuneração e do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acima do teto constitucional.

“A decisão não foi do presidente, foi do Ministério da Economia. Isso é uma questão legal. O STF [Supremo Tribunal Federal] já criou a jurisprudência em relação a esse assunto, que é o camarada que é aposentado e possui um cargo no governo. Eu continuo com a mesma posição. É legal, mas eu não considero ético no momento que isso aconteça”, afirmou Mourão.

O vice-presidente participou de entrevista no UOL, onde afirmou estar ‘pensando no que fazer’. “Não sei se vou doar para uma instituição, para o meu partido. Vou pensar no que vou fazer. Quando eu receber, por enquanto não pingou nada na minha conta, quando aparecer, eu vejo o que vou fazer”, disse o general.

O Ministério da Economia publicou, na última semana, uma portaria que permitirá a reservistas e servidores públicos aposentados que exercem também determinados cargos públicos receber acima do teto constitucional, atualmente em R$ 39,2 mil.