Diretor-geral da Aneel anuncia norma regulamentadora do sistema de energia híbrido em Fortaleza

O encontro será na sexta-feira (3), na FIEC, onde o diretor da Aneel será recebido pelos presidentes da FIEC e do Sindienergia e outras autoridades do setor de energia no estado


Foto: Reprodução.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Ceará foi o estado escolhido para sediar o anúncio da norma regulamentadora do sistema de energia híbrido, autorizando o funcionamento de parques de geração de energia híbridos – solares e eólicos – e de outros tipos de energia.

O Diretor-geral da Aneel, André Pepitone, vem a Fortaleza nesta sexta-feira, 3, onde anunciará, na FIEC, o documento que irá autorizar os parques híbridos ou associados.

Pepitone será recebido pelo presidente da FIEC, Ricardo Cavalcante; pelo presidente do Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico (Sindienergia-CE), Luis Carlos Queiroz; pelo deputado federal Danilo Forte (Coordenador da Frente de Energias Renováveis na Câmara Federal) e outros importantes players do setor de energia do estado e da região.

Para o presidente do Sindienergia-CE, Luis Carlos Queiroz, a regulamentação é uma medida que chega para somar ao ano positivo do setor de energias renováveis, que engloba as gerações eólica e solar. “Em 2021, foi dado um passo muito positivo para as energias renováveis e abundantes no nosso país, como a eólica e a solar, com a aprovação do Marco Regulatório do Setor de Geração Distribuída, com o PL 5829/2020. Agora, quem ganha com a assinatura do protocolo de autorização para o funcionamento de parques de geração de energia híbridos é a geração centralizada e as empresas que atuam e que almejam atuar nesse segmento de energias renováveis. Com essa autorização, elas poderão ampliar, com muito mais facilidade, suas atuações, e aquelas empresas que já contam com projetos híbridos poderão colocá-los em prática, fomentando o desenvolvimento desse setor tão importante, por meio dessas fontes abundantes, sobretudo no Ceará e na região Nordeste como um todo”, comemora Queiroz.

Ele complementa explicando que “os parques eólicos, por exemplo, que já existem, com licença ambiental e infraestrutura de rede, já montados, poderão ampliar suas produções com energia solar, com complementação de carga. Tudo isso com rapidez de implantação e baixo custo”.

De acordo com o Diretor de Geração Centralizada do Sindienergia-CE, Luis Eduardo Barbosa, a medida deve beneficiar de sobremaneira os projetos de usinas que estão por iniciar suas operações, pois muitos já previam o modelo híbrido. Ele complementa reforçando que a capacidade instalável de geração híbrida no estado (eólica + solar fotovoltaica), identificada no Atlas Eólico e Solar do Ceará é de 137 GW.