CNJ promoverá audiência pública sobre o novo perfil de juiz para a sociedade e poder judiciário

"Qual é o perfil do juiz que a sociedade quer e precisa? Qual é o juiz que os tribunais querem? Quais são as competências que devemos buscar? Essas são questões que iremos tratar”, diz o conselheiro Aloysio Corrêa da Veiga, ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST).


Foto: CNJ. Aloysio Corrêa da Veiga, conselheiro do CNJ e ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) promoverá um encontro com especialistas em direito e representantes de escolas e associações da magistratura, que acontecerá em maio deste ano. O objetivo do evento é discutir as formas de ingresso na judicatura e a necessidade de aperfeiçoar os critérios para a seleção dos juízes para a magistratura nacional. Atualmente, a  Resolução nº 75 de 12/05/2009 dispõe sobre os concursos públicos para ingresso na carreira de juiz em todos os ramos do Poder Judiciário nacional.

Para o conselheiro Aloysio Corrêa da Veiga, ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST), um dos objetivos do encontro está na busca de um melhoramento da Resolução “de forma que o concurso seja capaz de selecionar profissionais do direito vocacionados para a carreira de juiz e para a prestação de serviços jurisdicionais à sociedade e, não apenas, selecionar indivíduos que foram bem orientados por cursinhos especializados em concursos públicos ou bem treinados em técnicas de coaching”.

Segundo o conselheiro Aloysio, pertinentes são os questionamentos “Qual é o perfil do juiz que a sociedade quer e precisa? Qual é o juiz que os tribunais querem? Quais são as competências que devemos buscar? Essas são questões que iremos tratar”.

O evento acontecerá no dia 20 de maio, no entanto o local e a sua programação ainda não foram divulgados.

*Com informações CNJ

Leia mais:

+ Juiz de Minas Gerais grita e ameaça testemunha em audiência

+ Juiz que subjugou testemunha já é investigado em ação de agressão à ex-noiva

+ Promotora do Eusébio afirma que a discussão não foi por cadeira, mas por respeito. VEJA OS VÍDEOS

+ Promotora de justiça se nega a sentar ao lado de advogado e audiência é suspensa