Dallagnol afirma que Brasil precisa de “alguém independente” na PGR

Coordenador da Operação Java Jato recebeu com cautela a escolha de Augusto Aras pelo presidente Jair Bolsonaro ao cargo de procurador-geral da República (PGR)


Coordenador da força tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O procurador da República, Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, disse que recebeu o nome de Augusto Aras para o cargo de procurador-geral da República (PGR) com cautela.

Isso porque Aras foi escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro, contrariando a indicação feita pela categoria – com uma tríplice lista com os nomes dos sucessores de Raquel Dodge.

“O País precisa de alguém independente lá (na PGR) e a lista tríplice contribui para essa independência. Além disso, os nomes da lista tríplice passaram por um teste de fogo em debates públicos. O histórico e os planos de gestão deles foram testados e aprovados, de modo transparente e democrático”, reforçou Dallagnol ao Estadão.