COVID-19: um “big bang” das relações de trabalho, por Yunare Marinho

"Tudo parece ter mudado permanentemente em nosso sistema de relações trabalhistas", destaca o executivo


Yunare Marinho Targino é Gerente Corporativo de Processos Industriais no Grupo M.Dias Branco, Fortaleza-CE. Cidadão Luso-Brasileiro é Graduado em Engenharia Mecânica, UNIFOR-CE. Pós-Graduado em Engenharia de Segurança do Trabalho, CHRISTUS-CE. Pós-Graduado em Psicologia Transpessoal, Faculdade Porto das Monções-SP. MBA Executivo, COPPEAD-RJ. Mestrado em Concepção, Mecânica e Meio Ambiente, ENSAM-França.

Por Yunare Marinho
Post convidado

O que impressiona você, como observador das relações profissionais e dos mercados de trabalho a partir de agora no mundo?

Nunca experimentamos um choque tão grande na atividade econômica. Segundo a ONU, atualmente uma fatia da população mundial está confinada em casa, isso é realmente impressionante . Em 2008, a crise financeira não tinha sido tão forte e geral com  um  efeito no mercado de trabalho.

Embora as empresas mal estejam começando a trazer sua nova atividade e operação para o novo tempo após semanas de confinamento e agora precisam se projetar para a retomada de mercado forçado pelos decretos estaduais, que considero ter sido correto, onde tudo parece já ter mudado de maneira duradoura em nosso sistema de relacionamentos profissional.

Antes de tudo, o que acho interessante é o uso de trabalho temporário nas organizações. Isso é importante porque evita demissões imediatas e ajudará na recuperação. Atualmente, leio e ouço que o “home office” será impulsionado, que haverá uma profunda mudança cultural. O que os trabalhadores estão passando agora é pela experiência do “home office”, que vem ocorrendo há várias semanas, que não tem nada a ver com alguém que trabalha em casa um dia ou dois por semana para economizar um tempo de viagem cansativo.

Graças ao “home office”, ou por causa dele, é claro, cuja implementação atingiu uma escala sem precedentes com pelo menos milhões de trabalhadores potencialmente impactados, a regulamentação e o gerenciamento remoto da atividade não se aplicam mais apenas a executivos e princípios de gestão baseados em confiança, delegação e empoderamento, mas agora são destinados a todos, entretanto, acredito que a gestão das empresas entenderá que o teletrabalho é necessário, desejável e muitos equiparão seus funcionários após essa experiência.

Paradoxalmente, começo a ver nas mídias sociais as pessoas envolvidas em vídeo-conferências sem fim, uma desumanização do trabalho, um modo de organização mais complicado de viver para quem a descobre e nos preocupa. Para se comunicar bem, você precisa de uma mesa, espaço, internet, computador. É complicado na cidade, com o preço dos imóveis e o episódio que estamos vivendo pode dar um impulso aos espaços de coworking, que são uma solução intermediária, uma maneira de ter um escritório perto de você.

O mundo do trabalho de repente parece menos homogêneo e mais fragmentado; os regulamentos individuais e coletivos são organizados de maneira diferente e experimentam dinâmicas e modelos radicalmente inesperados; acima de tudo, o momento está profundamente perturbado e deverá ressurgir uma nova relação de trabalho passado este big bang ou grande expansão.

Nessa nova configuração, as formas de trabalhar em conjunto também devem ser reinventadas, enquanto muitos de nós temos a experiência repetida dos dias de hoje pontuada por “chamadas de conferências direto de casa.”Entre as quais às vezes lutamos para enganar o sentimento de uma solidão quase “tayloriana” e descobrir as fontes da inteligência e da relação coletiva (transpessoal=trans+passar) integrando a organização na organização familiar.

Somos seres que durante décadas fomos estimulados ao trabalho em equipe e agora  estamos distantes das relações, ou seja, nos reinventamos e verdade que em poucas semanas, novas dinâmicas de trabalho começaram, indivíduos foram revelados, solidariedades inesperadas foram formadas, “live” realizadas, novos modelos de treinamentos  humanizados estabelecidos à distância. Novamente, as empresas certamente terão que fazer um balanço desse período sem precedentes e extrair, a longo prazo, todas as consequências, para menos verticalidade e mais horizontalidade na organização do trabalho.

Por último, mas não menos importante, a crise do Coronavírus movimentou, de várias maneiras, nosso sistema de representação, medição e reconhecimento da utilidade social das contribuições e relações profissionais.Tudo parece ter mudado permanentemente em nosso sistema de relações trabalhistas. As pessoas continuarão a trabalhar, mas de outra forma. Você acha que será sustentável? Aprenderemos juntos, por mim, por você, por nós!