Consumidores do Nordeste afirmam que inflação “subiu muito”, diz Radar Febraban

Mais da metade dos entrevistados (57%) acredita que a sua vida financeira e familiar só irá se recuperar após 2022 ou isso sequer acontecerá


Foto: Reprodução

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

No Nordeste, a grande maioria dos entrevistados (93%) confirma que o preço dos produtos aumentou muito em relação ao início do ano. Da mesma forma, oito em cada dez entrevistados (79%) apontam que o consumo de alimentos e outros itens do abastecimento doméstico é o item que mais tem sido impactado pela inflação.

Ainda na pesquisa, mais da metade dos entrevistados (57%) acredita que a sua vida financeira e familiar só irá se recuperar após 2022 ou isso sequer acontecerá. Quando pensam na recuperação da economia do país, é mais elevado o contingente de pessimistas (80%). Alinhados com esse sentimento, 68% têm expectativa negativa também no que se refere ao crescimento do país. Esses dados são da mais nova rodada da pesquisa Radar Febraban, realizada com 3 mil pessoas, entre os dias 21 de maio a 2 de junho, nas cinco regiões do país.

Outro dado curioso é o de que os bancos têm dado uma contribuição positiva para o desenvolvimento da economia (53%), ao enfrentamento da pandemia (47%), a geração de empregos (44%), a melhora da qualidade de vida das pessoas (43%), e aos negócios e atividades profissionais dos entrevistados (40%).

Contudo, cresceu também o percentual daqueles que já foram vítimas de golpes e fraudes envolvendo instituições bancárias. Mas a grande maioria (70%) declarou não ter sido vítima de golpes ou fraudes. Dentre os crimes mais frequentes, a clonagem ou troca de cartão é citado por 69%. Ainda sobre o tema, 50% dizem já ter recebido comunicação do banco instruindo sobre golpes e 89% apontam a importância de tais materiais como alerta e prevenção.