Comissão da Câmara aprova projeto que torna nepotismo indicação de parente para embaixada

presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou que a proposta venha a  ser utilizada para barrar a possível indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para ser embaixador do Brasil em Washington.


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) apresentou emenda ao Projeto de Lei 198/19, transformando em nepotismo a nomeação de parente de autoridade para os cargos de ministro de Estado e embaixador. O projeto, que trata originalmente da prática de nepotismo como ato de improbidade administrativa e fixa pena de detenção de três meses a um ano para quem descumprir a regra, foi aprovado, com a emenda, pela Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara nesta quarta-feira, 14. O projeto será analisado agora pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania. Depois seguirá para o Plenário.

O texto reacende a polêmica em torno da indicação do deputado Eduardo Bolsonaro para Embaixada do Brasil nos EUA. No parecer, Kataguiri afirma que o nepotismo é uma “injustiça patente que demonstra profundo desprezo pela coisa pública e, por consequência, desrespeito ao pagador de impostos”.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), negou que a proposta venha a  ser utilizada para barrar a possível indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para ser embaixador do Brasil em Washington.

“Aqui, não existe projeto que tenha nome e seja contra uma pessoa, se ele passar não será misturado e acelerado porque o presidente vai indicar o filho para embaixada”, afirmou Rodrigo Maia.