Queda no valor das ações do Hapvida, tira Jorge e Cândido Pinheiro da lista de bilionários da Forbes

Segundo o Infomoney, agora os irmãos possuem fortunas inferiores a US$ 1 bilhão (equivalente a mais de R$ 5 bilhões), que é o piso mínimo para compor a famosa lista da revista.


Jorge e Cândido Pinheiro: o tamanho da fortuna se relaciona com o desempenho do Hapvida no mercado de ações.

A forte queda no valor das ações de algumas empresas listadas na bolsa de valores repercute na famosa lista de bilionários da Forbes. O início de junho marcou a saída da empresária Luiza Trajano, do Magazine Luiza (MFLU3). Ela não está sozinha. Outros três brasileiros deixaram a lista. Entre eles, os irmãos Pinheiro Koren de Lima, Jorge e Cândido, filhos de Cândido Pinheiro, fundador e maior acionista do grupo Hapvida.

Segundo o Infomoney, agora os irmãos possuem fortunas inferiores a US$ 1 bilhão (equivalente a mais de R$ 5 bilhões), que é o piso mínimo para compor a lista. Há pouco mais de um ano, em julho de 2021, a Forbes contabilizou que a fortuna de cada um alcançava 2,1 bilhões de dólares. Portanto, a queda foi de mais de 50% no período.

A perda de fortuna ocorre em meio à perda de valor acumulado das ações do Hapvida que, até a metade de junho, sofreram baixas de 43%. A lista da Forbes trabalha com os dados das empresas listadas no mercado de ações, que obriga a transparência nos resultados.

A retomada do valor da empresa e, portanto, das fortunas de seus sócios, depende do desempenho no mercado acionário. Outro que saiu da lista dos bilionários foi o empresário Rubens Menin deixou o rol de bilionários

A seguir, veja a análise feita pelo Infomoney acerca do grupo cearense.

Hapvida: expectativas mais positivas com sinergias
A Hapvida também sofre uma queda expressiva de suas ações. Conforme destacou a XP em análise do balanço do primeiro trimestre da empresa, o crescimento orgânico ainda é problema.

A sinistralidade em nível elevado também contribuiu para os dados negativos no período, “ainda pressionada pelos custos relacionados à Covid-19, a aquisições e ao reajuste negativo de preços dos planos individuais”.

Priscila Araújo, da Macro Capital, destacou no evento Super Clássicos da Bolsa 2022 que a Hapvida apresentou tickets baixos, influenciados pelos reajustes de planos da ANS e que impactaram fortemente a empresa até o primeiro trimestre de 2022, o aumento de custos e as sinergias da fusão com o GNDI anunciadas pela companhia.

Para Rafael Barros, analista do setor de saúde do XP, “a fusão com o GNDI deve criar sinergias consideráveis”, o que reforça a recomendação de compra para as ações da empresa.

Em relatório desta semana, o Itaú BBA reforçou visão positiva para a ação, com recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) para o papel HAPV3, ainda que reduzindo o preço-alvo de R$ 17 para R$ 10.

Embora os analistas do banco reconheçam que a dinâmicas de curto prazo provavelmente permanecerão desafiadoras, ainda destacam confiança com as perspectivas de longo prazo para a Hapvida, pois acreditam que será o player com melhor capacidade de controlar custos médicos assim que a inflação voltar aos níveis normais.

“Olhando para além do atual cenário turbulento (mas temporário) de aumento dos custos unitários na saúde, acreditamos que a tese de o Hapvida ter o modelo vencedor no setor de saúde brasileiro ainda é válida”, aponta o BBA.

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.