Com Pazuello na Saúde, Governo tentou importar vacina indiana Covaxin com data próxima do vencimento

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou, em 31 de março, o pedido de importação da vacina indiana feito pelo Ministério da Saúde.


O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, concede entrevista, para falar sobre a vacinação contra a covid-19 no país, Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into). Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Ainda sob o comando do general Eduardo Pazuello, o Ministério da Saúde tentou importar, em fevereiro, três lotes da vacina indiana Covaxin com o prazo de validade próximo do vencimento.

De acordo com documentos obtidos pelo jornal O Globo, a pasta firmou um contrato de R$ 1,6 bilhão para a compra de 20 milhões de doses da vacina.

O Ministério Público Federal (MPF) investiga o acordo.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou, em 31 de março, o pedido de importação da vacina indiana feito pelo Ministério da Saúde.

Ao analisar a documentação, técnicos da Anvisa constataram que, considerando a data de fabricação dos lotes, as vacinas iriam vencer entre abril e maio.