CNT tenta na justiça proibir o serviço de corridas compartilhadas

O serviço (Uber Juntos) é oferecido em Fortaleza pela Uber. Para a CNT, os serviços “de certa forma concorrem com as tarifas cobradas no transporte coletivo municipal”. 


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

A Confederação Nacional dos Transportes (CNT) tenta na Justiça proibir o serviço de corridas compartilihadas nos aplicativos de transporte. Para a CNT, os serviços “de certa forma concorrem com as tarifas cobradas no transporte coletivo municipal”.

O serviço é ofertado pela Uber (Uber Juntos) em São Paulo, no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre e Goiânia. Já a 99 mantém o serviço (99compartilha) em Belo Horizonte e em Campinas. No serviço disponibilizado pelos aplicativos, as corridas são organizadas de maneira coletiva e saem por preços mais atrativos em relação às viagens exclusivas nestes aplicativos.

O advogado Eduardo Talamini, que representa a CNT, diz que um dos maiores temores é que o transporte coletivo, que é de caráter público e atende todas as regiões, “deixe de existir por causa da concorrência de um serviço que tem amplitude reduzida, com corridas somente nos locais mais centralizados”.

A ação coletiva tramita na 4ª Vara Cível de Curitiba com o número 0014685-27.2019.8.16.0001. Uma audiência de conciliação está marcada para o dia 7 de novembro.