Ciro quer debater com Moro, que quer debater com Lula

“O clube dos advogados pela impunidade quer debater. Este é um clube do qual não quero participar. Mas debato com o chefe de vocês, o Lula, a qualquer hora, sobre o mensalão e o petrolão”, disse o ex-juíz da Lava Jato.


Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

Os factoides típicos de campanha eleitoral estão dando o tom da disputa presidencial. Ciro Gomes chama Sérgio Moro para debater, que recusa e chama Lula para o duelo verbal. Atentem que o ex-juiz da Lava Jato está no centro dos embates, inclusive virando alvo do presidente Jair Bolsonaro, que afirmou que Moro não aguentaria dez segundos de debate.

Nesta sexta-feira, 14, Moro afirmou que toparia debater com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) “a qualquer hora” desde que o tema fosse o mensalão e o petrolão. Pura provocação, mas que toca no que pode ser o calcanhar de Aquiles do lulo-petismo.

A declaração foi fruto de um embate paralelo. No caso, o dos advogados que compõem um grupo denominado Prerrogativas, que combateram a Lava Jato, contra Moro. O ex-juiz foi provocado a debater a reforma do Judiciário por integrantes do grupo, apelidado por Moro de “advogados pela impunidade”.

“Vejo que o clube dos advogados pela impunidade quer debater. Desculpem, mas este é um clube do qual não quero participar. Mas debato com o chefe de vocês, o Lula, a qualquer hora, sobre o mensalão e o petrolão”, escreveu o pré-candidato em suas redes sociais.

Em dezembro passado, o Prerrogativas organizou o jantar entre Lula e o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que se encontraram pela primeira vez em público após correr a notícia acerca da formação de uma possível chapa para a disputa presidencial.

Quanto ao desafio de Ciro, o ex-juiz declarou que só topa o encontro para o debate se o pedetista mudar a postura “ofensiva e agressiva”. Em live no canal do YouTube, Ciro respondeu o comentário: “Ele não quer debater comigo porque eu vou dizer que ele é um corrupto”.

Líder isolado nas pesquisas, Lula permanece calado.

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.