Ciro vira alvo da PF após críticas a Bolsonaro e agora tem o que comemorar

O presidente da República não gostou de uma entrevista de Ciro à rádio Tupinambá de Sobral. Alguém precisa apresentar o Beco do Cotovelo ao Jair.


Ciro Gomes. Foto: Divulgação 

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, virou alvo da Polícia Federal por suposta prática de “crime contra a honra” de Jair Bolsonaro. Foi o próprio presidente que fez o movimento contra Ciro, que busca quebrar a polarização que há anos marca a política brasileira.

Em entrevista à gloriosa Rádio Tupinambá, de Sobral, em novembro passado, Ciro rogou aos milhões de ouvintes da emissora para não votar em  candidatos que apoiam o presidente e sua tropa.

O pedido de abertura de inquérito, assinado por Bolsonaro através da Subchefia de Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência da República, cita a referida entrevista como base para o pedido de investigação.

Segundo o órgão, Ciro mostrou na entrevista um “sentimento de repúdio ao bolsonarismo, à sua boçalidade, à sua incapacidade de administrar a economia do País e seu desrespeito à saúde pública”.

Na entrevista que, a bem da verdade, no máximo, alcançou o o Beco do Cotovelo, Ciro ainda chamou Bolsonaro de “ladrão”. Para tanto, citou o caso da rachadinha da qual os filhos do presidente e o próprio são suspeitos de praticar.

Nas redes sociais, Ciro fez a menção ao fato dando a ele a devida relevância: “Particularmente não ligo para esse ato contra mim, mas considero grave a tentativa de Bolsonaro de intimidar opositores e adversários. Entendo que é um ato de desespero de quem vê sua imagem se deteriorar todos os dias pela gestão criminosa do Brasil na pandemia”.

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.