Chamado de ditador por Bolsonaro, Barroso responde: “Não paro para bater boca nem me distraio com miudezas”

Em sua tradicional live de quinta-feira, Bolsonaro criticou o ministro, dizendo, ainda, que  ele “é um péssimo exemplo” e não tem “zelo pela família tradicional”.


Chamado de ditador por Bolsonaro, Barroso responde: “Não paro para bater boca nem me distraio com miudezas”. Foto: Marcos Corrêa/PR.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, respondeu, nesta sexta-feira, 18, às feitas pelo presidente da República Jair Bolsonaro, de que ele seria um “ditador”.

Em entrevista à Rádio Eldorado, Barroso, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou que “é preciso consolidar as instituições”, que têm funcionado bem, apesar das “dificuldades de uma democracia jovem”.

“Eu não paro para bater boca e nem me distraio com miudezas. Meu mundo vai bem além do cercadinho. E é preciso que o Brasil não se sinta confinado ao cercadinho. Nós somos muito maiores do que isso”, disse o ministro do Supremo.

Em sua tradicional live de quinta-feira, Bolsonaro criticou o ministro, dizendo, ainda, que  ele “é um péssimo exemplo” e não tem “zelo pela família tradicional”.

As críticas são motivadas pelas afirmações de Barroso contra o voto impresso e da recente decisão do ministro, impedindo reintegrações de posse durante a pandemia.