Capitão Wagner vai a ato com Bolsonaro no Ceará, mas mantém distância do presidente

Ou seja, se a conjuntura não virar, o deputado vai entrar na disputa em Fortaleza aliado unha e carne com o partido pelo qual Bolsonaro se elegeu, mas vai fazer de tudo para não ligar sua trajetória à do presidente.


Capitão Wagner grava vídeo no local da visita de Bolsonaro ao Ceará, mas não cita o nome e nem posa para foto com o presidente.

Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

O que a passagem do presidente Jair Bolsonaro pelo Ceará tem a ver com a eleição para prefeito de Fortaleza? Muito. A visita de um presidente da República, coisa rara em se tratando do atual, é sempre um momento para se observar afinidades políticas.

Pois é. É natural esperar que os aliados mais próximos de Bolsonaro fossem a Penaforte tirar uma casquinha política do ato que tem valor histórico para o Ceará. No caso, a chegada das águas do Rio São Francisco ao Estado.

Nada melhor que a visita de um presidente com uma agenda tão positiva, não é? Para lá foram alguns gatos pingados. No que diz respeito à disputa de Fortaleza, o deputado federal Capitão Wagner, do Pros, esteve por lá. A relação do pré-candidato a prefeito com a visita de Bolsonaro revela que Wagner manteve distância regulamentar do presidente. Nem tão longe que aparente falta de prestígio. Nem tão perto que a provável baixa popularidade do presidente em Fortaleza possa contaminar a trajetória do Capitão.

Por isso, Wagner foi protocolar. Nas redes sociais do deputado, não há nem sequer uma foto ao lado de Bolsonaro. Em sua divulgação, o Capitão postou um rápido e discreto vídeo de sua presença no local da visita. No vídeo, exaltou a obra da transposição, mas nem sequer citou o nome de Jair Bolsonaro. O que é muito significativo.

Ou seja, se a conjuntura não virar, Wagner vai entrar na disputa em Fortaleza aliado unha e carne com o partido pelo qual Bolsonaro se elegeu, mas vai fazer de tudo para não ligar sua trajetória à do presidente.