Capitão abandona discurso “paz e amor”, diz que Ciro está “escondido” e que pedetista “vai mandar” caso Sarto seja eleito

"Um pessoal está no poder há mais de 30 anos e quer permanecer no poder. Tem um cara que quer à fina força ser presidente da República. A boca, a língua, não permitiu que ele não chegasse lá".


Capitão Wagner em live. Foto: Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Uma dia após receber críticas ao afirmar que não participou do motim da PM em fevereiro e na sequência da pesquisa Ibope em que esperava uma liderança mais folgada, Capitão Wagner deixou o discurso “paz e amor” de lado e partiu para o ataque. O candidato a prefeito pelo Pros realizou na tarde de hoje, 15, uma live onde criticou abertamente a relação dos Ferreira Gomes e o Poder.

“Há um pessoal que está no poder há mais de 30 anos e que quer permanecer no poder. Teremos eleição em 2022. Tem um cara que quer à fina força ser presidente da República. E a boca, a língua, não permitiu que ele  chegasse lá”, disse numa clara alusão fazendo a Ciro Gomes.

Na sequência, declarou que José Sarto (PDT), caso vença, será “mandado” por Ciro. “Ele [Ciro] tá escondido. Ele é quem vai mandar, com todo respeito, é ele “, complementou.

Falou ainda que é importante um revezamento do poder. “Tinha a prefeita do PT (Luizianne) e o governador do PDT (Cid). Agora temos o governador do PT e o prefeito do PDT. É muito bom. O poder nas mãos de um mesmo grupo, da mesma família”, disse com ironia.

A verdade contra o poder.

Publicado por Capitão Wagner em Quinta-feira, 15 de outubro de 2020