Bolsonaro vai retirar Romildo Rolim da presidência do BNB e entregá-la ao Centrão, afirma jornal

O nome na esteira de especulações é o de Alexandre Borges Cabral. Ele foi presidente da Casa da Moeda de julho de 2016 a junho de 2019, durante a gestão do ex-presidente Michel Temer


Presidente do BNB, Romildo Rolim / Foto: Divulgação BNB

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O presidente Jair Bolsonaro, em mais um gesto de aproximação com o Centrão, vai exonerar da presidência do Banco do Nordeste o atual presidente da instituição, o cearense Romildo Rolim. A nomeação pode ocorrer ainda nesta segunda-feira, 1º de junho. É o que afirma o Estadão.

O comando do BNB passaria para as mãos de um indicado do ex-deputado Valdemar da Costa Neto, líder do Partido Liberal (PL). O ex-parlamentar foi condenado no escândalo do mensalão.

O nome na esteira de especulações é o de Alexandre Borges Cabral. Ele foi presidente da Casa da Moeda de julho de 2016 a junho de 2019, durante a gestão do ex-presidente Michel Temer. Na época, ele foi indicado pelo PTB, que é outro partido do grupo de legendas.

O movimento é visto como uma forma de Bolsonaro ampliar a aliança com os partidos do Centrão. Em troca, visa construir uma base no Congresso para barrar uma eventual tentativa de processo de impeachment.

Vale lembrar que na gestão de Romildo Rolim, o banco alcançou números formidáveis. O mais recente foi o lucro líquido que cresceu 135,6% em 2019, no comparativo com 2018. A soma bateu R$ 1,73 bilhão.  Foram 5,3 milhões de operações de crédito, que cresceram 6,5% em comparação com 2018, no valor global de R$ 42,16 bilhões investidos na economia regional.