Bolsonaro afirma que incluir governadores no Conselho da Amazônia “não resolveria nada”

Ao assinar o decreto que transferiu o colegiado do Ministério do Meio Ambiente para a Vice-presidência, Bolsonaro deixou de fora os governadores da Amazônia Legal.


Presidente Jair Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada. (Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Equipe Focus.Jor
focus@focus.jor.br

O presidente Jair Bolsonaro afirmou hoje em entrevista na saída do Palácio da Alvorada, que incluir governadores no Conselho Nacional da Amazônia “não resolveria nada”.

Bolsonaro ressaltou, no entanto, que não vai tomar decisões sobre a região sem consultá-los.

Ao assinar o decreto que transferiu o colegiado do Ministério do Meio Ambiente para a Vice-presidência, Bolsonaro deixou de fora os governadores da Amazônia Legal.

A composição anterior do conselho, estipulada em um decreto de 1995, incluía os governadores do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins, Mato Grosso e Maranhão.

Segundo Bolsonaro, ter governadores e secretários municipais no colegiado tornaria o grupo muito grande e prejudicaria a eficiência dos trabalhos, além de gerar despesas.

“Se você quiser que eu bote, está aqui o Atila Lins [deputado federal PP-AM] para responder. Se você quiser que eu bote governadores, secretários de grandes cidades, vai ter 200 caras. Sabe o que vai resolver? Nada. Nada”, disse Bolsonaro.

“Tem bastantes ministros. Nós não vamos tomar decisões sobre estados da Amazônia sem conversar com governador, com a bancada do estado. Se botar muita gente ,é passagem aérea, hospedagem, uma despesa enorme, não resolve nada”, completou o presidente.