Blog do Resenhador

por Leopoldo Cavalcante
Veja todos os artigos do autor

Vermelho, Robin Hood dos brothers


Não acompanho o caso dos hackers de Araraquara há semanas. Não sei os desdobramentos, tampouco as revelações. Mas soube de um negócio uns dias atrás que me achei divertido.

Morar em São Paulo te deixa em contato com pessoas incríveis com passados peculiares. Mesmo que em qualquer cidade isso aconteça, em São Paulo parece haver algo de surreal nessas relações.

Um dos meus melhores amigos – o Thiago – é de Araraquara. Formado em psicologia e atualmente cursando jornalismo, ele tá quase na casa dos trinta anos. Nessa diferença de quase oito anos, muitos detalhes de infância mudaram. Enquanto já peguei a geração que cresceu isolada em apartamentos, ele brincava na rua. Era um terror, o menino. Jogava bombinha nas calçadas e nos terrenos baldios. Hoje, com seus eventuais fios brancos, é um dos caras mais tranquilos que conheço.

Não o vi tanto nas férias e não pude comentar com ele sobre o hackeamento que assolou o país na época. Mas assim que voltamos às aulas, ele comentou por cima que conhecia um dos hackers.

Que o Thiago conhece pessoas em Araraquara era de se esperar. Uma vez mostrei uma versão ao vivo de uma música da Liniker, uma das melhores cantoras brasileiras e também araraquarense, e ele me falou, “Esse cara do violão era meu brother no colégio”. Enfim, de se esperar.

Se o Thiago tem hoje uns 29 anos, a história que ele me contou foi há quase 17. Naquela época, ele tinha um amigo que era amigo do Vermelho, o hacker de Araraquara. E esse amigo costumava juntar a galera pra curtir um churrasco.

“Eu conheci ele como um um puta gênio da computação. Quando meu brother fazia o churrasco, ele pagava tudo. Dizia, ‘Po, dessa rodada pode deixar comigo’, e metia uns 3000 reais em carne. O moleque tinha treze anos e roubava umas quantias pequenas de várias pessoas na Internet. Só que era estranho um garoto com tanto dinheiro na conta. Aí ele não podia dar mole e tinha que gastar rapidão todo o dinheiro.”

Como o Vermelho fazia esse dinheiro? Como ele aprendeu a hackear? Em 2002 a Internet era outra coisa, como ele fazia isso?

Thiago não respondeu nenhuma dessas perguntas. Até por que eu não fiz nenhuma delas.

O que importa é que o Vermelho é realmente um hacker.

E que eu queria ser amigo dele pra comer uns churrascos naquela época.

O conteúdo dos textos dos blogs é de inteira responsabilidade do(a) autor(a) e não necessariamente reflete o ponto de vista do Focus.