Banco Mundial exalta modelo de educação cearense com base na experiência de Sobral

A entidade publicou hoje, 10, o relatório "Fazendo a educação dar certo" mostrando o case do município. "O Ceará, um Estado brasileiro relativamente pobre, obteve, em pouco mais de uma década, ganhos impressionantes na qualidade da educação que oferece a seus alunos", destaca um trecho da publicação


Educação Foto: Tiago Stille/ Governo do Ceará.

Átila Varela
atila@focus.jor.br

O Ceará mais uma vez ganhou o mundo. Desta vez Sobral atraiu os olhares do Banco Mundial, especialmente no âmbito da educação.

A entidade publicou hoje, 10, o relatório “Fazendo a educação dar certo” mostrando o case do município. “O Ceará, um Estado brasileiro relativamente pobre, obteve, em pouco mais de uma década, ganhos impressionantes na qualidade da educação que oferece a seus alunos”, destaca um trecho da publicação.

Chama atenção caminhos que o Estado moldou para atingir o índice elevado de educação. “O Ceará revolucionou as transferências fiscais para os municípios, vinculando-as ao desempenho educacional. Esse modelo específico de incentivo ao desempenho educacional funcionou devido ao ambiente de gestão descentralizada da educação no Ceará”, pontua o Banco Mundial.

O organismo faz referência ao ensino fundamental (1º ao 5º ano) e aos anos finais do fundamental (6º ao 9º ano). Contudo, fala que o Estado ainda precisa melhorar o desempenho no ensino médio.

“Embora o Ceará tenha observado melhorias significativas nos anos iniciais e finais do ensino fundamental, seu desempenho no ensino médio ainda não é tão satisfatório, o que pode refletir vários desafios. O ensino médio é oferecido diretamente pelo Estado, e pode ser mais fácil criar incentivos para os municípios do que para si mesmo. Além disso, melhorar o desempenho em habilidades fundamentais (como literacia e numeracia) não é simples, mas há muitos dados disponíveis sobre como fazê-lo, ao passo que reformar o ensino de competências mais complexas pode ser bem mais difícil. O Ceará está realizando esforços para avançar no ensino médio, assim como fez no ensino fundamental, com a esperança de colher bons frutos nos próximos anos”, observa o Banco Mundial.

O que outros governos podem aprender com a experiência Sobral-Ceará? A instituição também detalha. “A principal lição da experiência Ceará-Sobral é que é possível realizar uma reforma significativa em um período razoável, mesmo em um ambiente sem muitos recursos financeiros. Além disso, o Ceará alcançou avanços notáveis no ensino fundamental mesmo sem o controle direto do estado sobre a oferta de educação: sua conquista foi por meio de incentivos e apoio aos municípios, que eram, de fato, os gestores das escolas”, explica.

“Países do mundo todo buscam avanços de curto prazo em relação ao acesso à educação e à qualidade do ensino. Com isso em mente pode ser tentador tentar resumir o sucesso do Ceará a uma única reforma sustentada pelas seguintes pilares: financiamento baseado em resultados aos municípios; despolitização da seleção de diretores e professores; incentivos aos professores; materiais didáticos estruturados; e capacitação do corpo docente”, finaliza.

Leia o relatório completo em: Relatório do Banco Mundial Ceará-Sobral.