Autonomia não concede direito ao médico de prescrever remédios “ineficazes” contra a COVID, diz presidente da AMB

A afirmação é do médico César Eduardo Fernandes, presidente da Associação Médica Brasileira (AMB)


Foto: Reprodução.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O novo presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), César Eduardo Fernandes, declarou que a autonomia do médico não concede o direito de prescrever remédios considerados ineficazes contra a COVID-19.

A entidade mudou na última terça-feira, 23, o posicionamento sobre o kit COVID – que incluem a ivermectina e a hidroxicloroquina.

“O princípio que eu acho válido, que merece todo o nosso respeito, é dar autonomia de decisão ao médico. Mas essa autonomia não lhe dá, a meu juízo, o direito de fazer uso de medicações que não tenham eficácia”, destacou Fernandes.

O presidente da AMB ressalta que os pacientes que receberam receita do “kit COVID” devem buscar uma segunda opinião.

“A meu juízo, se ele está sendo acompanhado por esse médico e recebeu essa orientação, eu creio que valeria ele ouvir uma outra opinião. Não me sinto nem confortável para dizer ‘não siga a orientação do médico que lhe deu’. A minha opinião é que ele não deve tomar essas medicações, mas eu não quero ser leviano”, pontou.