Após fusão, Betânia-Embaré estuda IPO

A ideia é se capitalizar para realizar futuras aquisições


Fábrica da Betânia. Foto; Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Após a assinatura da fusão entre a cearense Betânia e a mineira Embaré, formando uma empresa de R$ 4 bilhões em faturamento, o próximo passo é investir em aquisições.

Para que isso ocorra, a futura empresa não descarta uma oferta pública inicial de ações (IPO). A ideia é se capitalizar para assim realizar os movimentos de mercado.

“O mercado não gosta do setor. É volátil, tem margens apertadas e repleto de histórias que não deram certo. Mas Betânia e Embaré são casos de sucesso e as sinergias darão fôlego para a empresa se tornar de fato nacional”, afirma Bruno Silva, sócio do private equity Arlon.

O acordo entre a Betânia e a Embaré requer aprovação do Cade.