Anvisa e USP conversam sobre futuro da vacina em spray contra COVID-19

O objetivo do encontro foi discutir as próximas etapas do desenvolvimento do novo imunizante


Foto: Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Na última terça-feira, 19, os agentes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se encontraram com pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Segundo o portal Canaltech, o objetivo do encontro foi discutir as próximas etapas do desenvolvimento da vacina, em forma de spray, contra COVID-19. A expectativa é que esta seja uma vacina brasileira contra o coronavírus SARS-CoV-2 de segunda geração.

“Durante a reunião, a Agência conheceu o projeto e encaminhou orientações aos desenvolvedores da vacina em relação aos parâmetros técnicos e formatos de estudos esperados pela Anvisa para este tipo de produto”, explicou a agência, em nota.

Vacina brasileira em spray está em estudos pré-clínicos
Vale explicar que a potencial vacina brasileira contra a COVID-19 é desenvolvida por membros do Laboratório de Imunologia do Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas da FMUSP.

Por enquanto, a pesquisa está no estágio pré-clínico, ou seja, nas etapas de laboratório e de testes com animais.

Segundo a Anvisa, “ainda não há previsão de solicitação de autorização para os estudos clínicos com pessoas”. Isso significa que os pesquisadores da USP ainda avaliam e investigam os efeitos do imunizante em etapas mais iniciais do processo.

No entanto, o encontro ocorreu porque os cientistas adotaram o método de “submissão contínua de desenvolvimento clínico de vacinas”, o que demanda reuniões e compartilhamentos de informações regulares com a agência.

A ideia desses encontros é “possibilitar a análise preliminar das informações referentes ao projeto de desenvolvimento dos imunizantes. Com esses dados, é possível agilizar um posterior pedido de autorização de ensaio clínico da vacina”, detalhe a Anvisa.

Fonte: Anvisa