Análise: pesquisa Exame/Ideia mostra Bolsonaro desgastado, Lula na frente e Tasso bem posicionado na terceira via

O senador do Ceará aparece na frente de Ciro Gomes nas simulações em que a pesquisa coloca um terceiro nome em meio à polarização Lula/Bolsonaro, mas só há espaço para um.


Velhos aliados, entre altos e baixos no relacionamento, só há espaço para um dos dois na corrida presidencial.

Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

À espreita da polarização entre o bolsonarismo e o lulo-petismo, uma parte nada desprezível do eleitorado brasileiro vai se esgueirando em busca de uma terceira via moderna, com viés social-democrata à la Joe Biden ou ao estilo europeu (lá, até o que se chama de direita namora com ideias sociais-democratas), sem os rompantes extremistas, que valoriza a iniciativa privada tanto quanto valoriza os deveres constitucionais do Estado de prover a população de serviços públicos de qualidade.

A última pesquisa da revista Exame/Ideia nos mostra algumas informações relevantes acerca desse contexto quando o País está a pouco mais de um ano da efervescência eleitoral.

Para começo de conversa, vale citar a trava que se forma para a trajetória de Jair Bolsonaro em busca de reeleição: “A avaliação do governo do presidente Jair Bolsonaro está no pior momento desde que assumiu a cadeira presidencial, em janeiro de 2019. Os brasileiros que consideram o governo como ruim ou péssimo somam 50%. O valor está neste patamar há dois meses, oscilando apenas dentro da margem de erro, que é de três pontos percentuais para mais ou para menos. Aqueles que avaliam a gestão como ótima ou boa são 24%, e os que consideram regular, 22%”, aponta o texto da revista.

É um índice de reprovação altíssimo. Levando ao extremo da possibilidade, significa que metade do eleitorado tenderia a não votar na reeleição do presidente se a disputa fosse hoje. Para romper com essa dinâmica negativa para o bolsonarismo, só com o advento de uma onda de crescimento econômico que alcance o ápice nas proximidades das eleições. É possível, mas não é provável.

A mais recente pesquisa Exame/Ideia, é um projeto que une Exame Invest Pro, braço de análise de investimentos da Exame, e o Ideia, instituto de pesquisa especializado em opinião pública. O levantamento ouviu 1.243 pessoas entre os dias 17 e 20 de maio. As entrevistas foram feitas por telefone, com ligações tanto para fixos residenciais quanto para celulares. A Exame hoje é uma publicação de propriedade do BTG.

Lula lidera em todas as simulações de primeiro e segundo turno. Em tais simulações, a diferença é pequena em relação a Bolsonaro. Portanto, não é um quadro plenamente confortável para o petista. Mas é nas entrelinhas dessas simulações que entram as possibilidades da terceira via.

Atentem para os nomes sugeridos pela pesquisa além da dupla protagonista polarizada. Esse modelo serve como uma espécie de guia para medir o potencial de força da terceira via.



 

 

 

 

 

 

 

A pesquisa foi inteligente como termômetro ao separar nome por nome colocado em meio à dupla polarizada. Um fato chamou a atenção: João Doria, o governador do poderoso estado de São Paulo, o homem que emplacou a primeira vacina contra a Covid no Brasil, tem apenas 10%. É 50% menor que o senador Tasso Jereissati, que aparece com 15%.

Pode-se dizer que o senador do Ceará aparece muito bem por estar à frente até de Ciro Gomes (13%), que é muito mais conhecido no país do que Tasso. “Seria um gesto de grandeza de Ciro Gomes trabalhar o apoio ao senador”, avalia o deputado federal Danilo Forte, que não é um aliado político nem de um e nem de outro.

Forte acredita que o nome do Ceará para a disputa presidencial só será viável se, de cara, unificar a política do Estado em torno de si, com exceção, claro, de lulistas e bolsonaristas de carteirinha. Ou seja, não há sentido em duas candidaturas presidenciais do Estado.

Atentem que o melhor terceiro colocado é o juiz Sérgio Moro, com 18%. Porém, não há quem aposte um tostão furado na viabilização dessa candidatura. O mesmo se diz em relação ao apresentador Luciano Huck.

A pesquisa espontânea coloca Lula na frente de Bolsonaro:

Trouxe também os índices de rejeição:

Comparou os segundos turnos entre Bolsonaro, Lula e demais candidatos

Leia Mais
+Ciro elogia Tasso e fala sobre disputa com o tucano em 2022

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.