A Pós-Graduação no Contexto das Universidades Federais, por Antônio Albuquerque

"É imprescindível que docentes e dirigentes de nossas Universidades Públicas Federais tenham sempre em mente a importância de suas contribuições pessoais para o desenvolvimento integrado da sociedade brasileira"


Antônio de Albuquerque Sousa Filho foi reitor da Universidade Federal do Ceará – UFC (Período 1991 a 1995).

A formação e qualificação de recursos humanos é a função mais relevante das Universidades Públicas Federais, nos níveis de graduação, especialização, mestrado e doutorado, nas diferentes áreas do conhecimento. Nos últimos anos, os cursos de pós-graduação (mestrado e doutorado), tiveram um desenvolvimento exponencial, possibilitando o surgimento de novas tecnologias e inovações.

Para possibilitar o desenvolvimento da pós-graduação, foram necessários investimentos vultosos no treinamento dos docentes e técnicos auxiliares, contratação de novos professores, construção de novos prédios e laboratórios, aquisição de mais equipamentos, compra de livros, ampliação de assinaturas de revistas nacionais e estrangeiras especializadas e, principalmente, mais recursos financeiros (orçamentários ou extras) vindos, a maioria, do governo federal. Noutras palavras, houve aumento significativo de dotação para pagamento de pessoal (superior a 80%), provocando escassez para outras rubricas, tais como  novos investimentos, material de consumo, manutenção (luz , água, segurança), etc.

A expectativa, com o desenvolvimento da pós-graduação, era que parte dos professores com curso de doutorado pudesse dedicar parte de seus tempos de atividades, ministrando aulas nos cursos de graduação, como ocorre nas grandes universidades estrangeiras. Infelizmente, tal fato não ocorre na maioria das nossas universidades. Assisti, recentemente, entrevista do professor Mozart Nunes, ex-reitor da Universidade Federal de Pernambuco e vinculado a Fundação Ayrton Senna, numa emissora de TV, lamentando tal realidade, especificamente na formação de novos professores.

Quanto aos resultados dos novos conhecimentos, oriundos de trabalhos de teses da pós-graduação, deveriam ser aplicados na melhoria dos cursos de graduação,  na aplicabilidade de novas tecnologias, no uso de novos equipamentos, estímulos à inovação e à criatividade, o que raramente acontece.

Outro destacado professor e pesquisador da Universidade Federal do Ceará  dizia-me que, infelizmente, nos cursos de pós-graduação, os seus docentes e alunos estão mais interessados em publicar artigos e valorizar suas titulações.

É imprescindível que docentes e dirigentes de nossas Universidades Públicas Federais tenham sempre em mente a importância de suas contribuições pessoais para o desenvolvimento integrado da sociedade brasileira, do papel inovador da pós-graduação na mudança de qualidade de vida das pessoas, notadamente nas áreas da educação, saúde e na diminuição das desigualdades sociais.