A abstenção pode fazer diferença no resultado de domingo?

Saiba o que história tem a mostrar. Com a disputa de 2º turno acirrada, todos os olhos se voltaram para o possível impacto do não comparecimento dos eleitores as urnas


Conteúdo PollsterGraph*
Por Central Eleitoral

Jornalistas, analistas e “cracudos de política” passaram as últimas três semanas dissecando de maneira exaustiva a abstenção no 2º turno das eleições. Falou-se sobre como em estados sem 2º turno para governador levaria a um baixo comparecimento; apontaram que a falta de transporte público poderia deprimir o número de eleitores; vislumbrou-se que o feriado de finados, no dia 02/11, poderia elevar a abstenção, já que muitos viajariam para aproveitar o feriadão e até a finalíssima da Libertadores da América entre Flamengo e Athletico Paranaense, na véspera das eleições, foi apontado como um fator, por conta da viagem de torcedores/eleitores para o Equador.

A história mostra: a abstenção no 1º e 2º turno das eleições presidenciais tem se alinhado

Apesar do enfoque das campanhas presidenciais em levar eleitores as urnas, de prefeitos e governadores terem garantido passe livre nos transportes públicos e de publicações, como a PODER 360, terem feito matérias demonstrando que apenas uma abstenção monstruosa faria diferença na eleição presidencial, muitos ainda se encontram tensos com o assunto. Entretanto, os últimos três ciclos de eleições presidenciais oferecem uma informação contra intuitiva: a diferença entre as abstenções de primeiro e segundo turno estão em queda.

ANO DA ELEIÇÃO PRESIDENCIAL ABSTENÇÃO 1º TURNO ABSTENÇÃO 2º TURNO DIFERENÇA
2010 18,12% 21,47% 3,35
2014 19,39% 21,1% 1,71
2018 20,33% 21,3% 0,97
2022 20,95% ??? ???

Na tabela acima, com dados do Tribunal Superior Eleitoral sobre a abstenção de 2010 a 2022, é possível verificar que apesar do aumento do não comparecimento nas urnas, a diferença entre abstenções de primeiro e segundo turno tem caído em torno de 50% de um ciclo para o outro.

Caso a história venha a se repetir, e é possível que se repita, a diferença entre as abstenções do primeiro e segundo turno de 2022 ficará entre 0,4 a 0,6. Dentro desta hipótese, o que teríamos seria um comparecimento de eleitores muito parecido em ambos os turnos, não impactando de maneira concreta o potencial eleitoral de nenhum dos dois candidatos. Contudo, a história já pregou peças naqueles que tentam extrapolar seus ciclos para fazerem previsões.

*Focus tem acordo de compartilhamento de conteúdo com a PollsterGraph