89,4% dos brasileiros percebem como injusto reajuste salarial de ministros do STF, aponta pesquisa

Índice dos que acredita que os senadores deveriam ter esperado posse de Bolsonaro é de 91,1%


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

89,4% dos brasileiros acreditam que não foi justo o reajuste salarial de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), aprovado no último dia 7, de acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Paraná divulgada nesta terça-feira, 13.

A proposta aprovada é de aumento de 16,4% no teto do funcionalismo público, que passaria de 33,7 mil mensais para R$ 39,2 mil.

O índice dos que acreditam que a aprovação foi justa é de 8,1%, de acordo com o instituto, e o dos que não souberam responder, 2,5%

Em relação ao momento em que ocorreu o aumento de salários, 91,1% dos entrevistados defendem que os senadores deveriam ter esperado que o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) assumisse o cargo para que houvesse a votação.

Para 6,2% a votação ocorreu no momento certo e 2,7% não souberam responder.

Já a percepção das condições financeiras para do Brasil para arcar com esse aumento de salário dos ministros do STF, 89% da amostra entrevistada pelo instituto acredita que o País não tem condições.

A quantidade dos que acreditam que o país tem condições de arcar com o aumento é 7,8% e os que não sabem ou não responderam, 3,8%.

De acordo com o Instituto Paraná, foram entrevistados 2008 brasileiros das 27 unidades federativas do País, por meio de pesquisa online para a composição dos dados. As entrevista ocorreram entre os dias nove e 11 de novembro. A margem de erro é de 2%.

Sanção
Após a aprovação no Senado, a proposta segue para sanção de Michel Temer (MDB). De acordo com o Estadão, o presidente espera que antes que sua decisão seja tomada o Supremo Tribunal Federal extingua o auxílio-moradia.

Abaixo-assinado
Abaixo assinado organizado pelo Partido Novo contra o aumento já conta com mais de 2,6 milhões de assinaturas.