2ª votação da reforma da Previdência pode ficar para segundo semestre

A expectativa era que o presidente Rodrigo Maia conseguisse votar ainda nesta sexta-feira, 12. Porém, o clima instalado demonstra que este segundo momento deve ficar somente para agosto, após o recesso parlamentar.


Equipe Focus
focus@focus.jor

Ainda não oficial, mas a 2ª votação da reforma da Previdência pode ficar para o segundo semestre. A expectativa era que o presidente Rodrigo Maia conseguisse votar ainda nesta sexta-feira, 12. Porém, o clima instalado demonstra que este segundo momento deve ficar somente para agosto, após o recesso parlamentar.

Parlamentares cearenses, ouvidos pela Focus, afirmam que a decisão de adiar seria uma forma de testar a “credibilidade” do Governo em cumprir suas promessas, realizadas para que a votação acontecesse. “Tivemos aqui um cheque em branco. Agora, a maioria quer que o Governo mostre que é capaz de cumprir suas promessas”, afirmou um deles.

A possibilidade foi admitida pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Durante o dia a gente vai ver qual é o melhor ambiente. Se temos quorum amanhã, se esse quorum se mantém na próxima semana ou se mantém em agosto. O que não podemos é correr o risco de ir para o 2º turno e perder a votação”, disse ao chegar ao Congresso Nacional no final desta manhã.

Nesta sexta-feira, deputados dão continuidade à discussão dos destaques. Por se tratar de uma PEC, a reforma da Previdência precisa ser aprovada por ao menos 308 deputados em duas votações realizadas separadamente, ou seja, em 2 turnos. Após a conclusão do 1º turno, o texto precisa ainda retornar para a comissão especial.

Maia afirmou que sua intenção é concluir o 1º turno ainda hoje e enviar o texto para análise da comissão até “o início da noite”.

“O importante é terminar o 1º turno. É uma vitória que estamos mantendo. O que está sendo votado nos destaques é uma perda de arrecadação que não vai passar de R$ 20 a R$ 25 bilhões em 10 anos. O que a gente não pode é perder essa economia (…). A gente precisa ter quorum alto para garantir essas votações”, afirmou.