13º salário: especialista ajuda a decidir prioridades para organização financeira

Segundo o Serasa, o país atingiu o maior índice de inadimplência desde julho de 2020, somando mais de 63 milhões de endividados


Prefeitura paga segunda parcela do 13º salário de servidores
53.803 servidores ativos, aposentados e pensionistas serão beneficiados. | Foto: divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O 13º salário vem como um alívio para boa parte da população, ele é um salário a mais perante 12 meses de trabalho, ou seja, funciona como um bônus pelo serviço prestado.

Além de ser um direito para o trabalhador regulamentado pela CLT, ele também funciona para impulsionar a economia do país.

A primeira parcela do 13º foi paga até o dia 30 de novembro, e a segunda deverá ser quitada até 20 de dezembro. Por isso, antes das festas de final de ano todos os trabalhadores de carteira assinada já devem ter em mãos as duas parcelas do bônus salarial.

O décimo terceiro sempre é muito esperado por parte da população que aproveita o valor para resolver pendências financeiras e até mesmo realizar compras sem sair do orçamento planejado.

Em 2021, o bônus é ainda mais aguardado, tendo em vista o difícil cenário econômico que o brasileiro está enfrentando. De acordo com o Serasa, o país possui mais de 63 milhões de endividados, maior índice de inadimplência desde julho de 2020.

“Temos enfrentado muitos desafios econômicos, sobretudo nos últimos dois anos, o que enfraqueceu nossa economia. O desequilíbrio entre oferta e demanda acabou ocasionando a alta de preços, sem contar na taxa de desempregados no país. Tudo isso contribui para que a população esteja mais endividada e com dificuldades de cumprir com todos os compromissos financeiros”, destaca o contador e consultor financeiro, Marcos Sá.

Dentro dessa realidade, é importante saber usar o décimo terceiro de acordo com as necessidades. O contador Marcos Sá separou algumas dicas para quem está buscando tomar a melhor decisão para aproveitar o décimo terceiro.

1. Quite as dívidas
Faça um levantamento das dívidas pendentes e organize em ordem de prioridade para quitar os débitos. Com o dinheiro em mãos é possível negociar valores e conseguir desconto junto aos credores.

Ao usar o dinheiro extra para pagar dívidas já adquiridas, é possível começar o ano seguinte com as contas no azul e sem comprometer a organização financeira dos próximos salários que serão recebidos.

“Muitas pessoas esperam o décimo terceiro para realizar compras de final de ano. Mas, se você tem débitos pendentes, o ideal é usar o dinheiro para pagar as dívidas e evitar que uma bola de neve de contas atrasadas comprometa ainda mais o orçamento”, frisa Marcos Sá.

2. Compras de final de ano
Já para quem não tem dívidas pendentes, usar o décimo terceiro para as compras de final de ano pode ser uma boa opção.

Com a chegada das festas de natal e ano novo, as reuniões entre amigos, família e colegas de trabalho ficam mais frequentes, sendo assim o salário extra pode ajudar na organização das comemorações, que geralmente envolvem a troca de presentes.

Uma outra forma de usar dinheiro é fazer comprar algo para uso próprio, e que muitas vezes não se encaixa no orçamento mensal. De toda forma, é importante conhecer bem as finanças para não gastar além do que é possível.

3. Crie a sua reserva de emergência

Diferente do que pode ser para alguns, não é necessário gastar todo o dinheiro do décimo terceiro só porque recebeu um salário extra.
Uma ótima opção é usar o valor para iniciar a própria reserva de emergência, que vai ficar disponível para imprevistos que podem acontecer.
Depois, é possível se organizar para guardar uma quantia do salário todos os meses.